Terça, 03 de maio de 2011, 15h10
Tamanho do texto A- A+


Esportes / DESABAFO

Emerson afirma que não cantou música do Flamengo sozinho

O atacante Emerson rompeu o silêncio. Depois de assinar uma rescisão amigável com o Fluminense, o ex-camisa 10 do clube das Laranjeiras falou sobre o episódio que culminou na saída do clube. Ele cantou a música "Bonde do Mengão sem Freio", da torcida do Flamengo, antes do jogo decisivo contra o Argentinos Juniors, pela Copa Libertadores da América.

"Cantei, mas não cantei sozinho. Outros atletas também cantaram, mas, como diz o ditado, só eu 'levei' (paguei) o pato", disse o jogador, em entrevista à TV Globo, nesta terça-feira.

"Estava cantando uma música que todos cantam. Vascaínos, botafoguenses, todo mundo. É um hit. Está nas paradas. Reconheço que naquele momento não era legal, mas ser tratado da maneira que eu fui também não é legal. Poderiam sentar, conversar e colocar que não agradou".

Em outro momento da entrevista, Emerson afirmou que havia problema de relacionamento dentro do grupo. Sem hesitar, ele disse que o gol do título brasileiro de 2010, marcado contra o Guarani, no Engenhão, gerou um mal-estar para ele no ambiente do clube.

"Eu não tenho culpa do gol do título. Algumas pessoas não gostaram", disse Emerson, que confessou não ter um relacionamento saudável com Fred fora dos gramados. "A gente não tem relacionamento de amigo fora de campo. É isso aí", completou.

Ao falar da outra grande estrela do time, o argentino Conca, o atacante não esconde a admiração. "Um amor, totalmente do bem. Ele ficou muito triste na minha saída. Emprestou o tênis para eu voltar da Argentina. Ele só manda bem, brincalhão e merece tudo porque é um cara honesto. Só elogios para o Conquinha".

Por fim, ele comentou o momento de Souza, que segue sem ser relacionado para os jogos do clube tricolor. Segundo ele, o companheiro está sendo injustiçado dentro do Fluminense.

"O jogador é o Souza, um cara que bota o currículo ao lado de qualquer um e é sacanagem. Ele é craque, joga muito, dedicado no trabalho, comprometido. Não é justo o que estão fazendo com ele. É triste, feio. Querem falar de profissionalismo comigo, com essa bagunça que está aí? Não, não", encerrou.


AVALIE:
0
0
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

FECHAR
Mato Grosso Notícias © 2018 - Todos os direitos reservados