Terça, 18 de dezembro de 2018, 09h30
Tamanho do texto A- A+


Esportes / em Pipeline

Medina é bicampeão mundial e coroa conquista com primeiro título

Como chegou ao evento havaiano em vantagem, ele assegurou a taça sem sequer precisar entrar na água na decisão, já que não podia mais ser alcançado por Julian Wilson, seu adversário na grande decisão

O Brasil é o país do Surfe! Nesta segunda-feira, Gabriel Medina garantiu o seu segundo título mundial ao superar Jordy Smith na semifinal em Pipeline, no Havaí. Como chegou ao evento havaiano em vantagem, ele assegurou a taça sem sequer precisar entrar na água na decisão, já que não podia mais ser alcançado por Julian Wilson, seu adversário na grande decisão.

E para coroar a sua conquista, ele ainda superou o australiano, vencendo a etapa de Pipeline pela primeira vez na carreira: 18,34 a 16,70;

Na semifinal, fase em que ele garantiu o título, o brasileiro venceu o sul-africano por 16,27 a 15,83, com destaque para uma nota 9,10, conquistada em um momento em que estava atrás na bateria.

Antes disso, Medina já havia passado por Conner Coffin nas quartas de final, Sebastian Zietz e Michel Bouzez, no round 4, Seth Moniz no round 3 e Benji Brand e Connor O'Leary no round 1.

Esse é o segundo título mundial do atleta de 24 anos nascido em Maresias, no litoral norte de São Paulo. Sua outra conquista havia sido em 2014, quando ele deu ao Brasil a primeira conquista mundial na elite do surfe mundial em toda a história.

Logo após ser confirmada a sua conquista, Gabriel se emocionou nas suas primeiras palavras como novo campeão mundial: "Foi um ano muito intenso, estou muito feliz agora. Eu não consigo encontrar palavras, só tenho que agradecer aos meus fãs e à minha família. Eu sempre venho aqui para fazer o meu melhor, eu acredito nos planos de Deus, eu tenho fé nisso, e eu tive um bom dia. Eu estou muito feliz de ter feito isso novamente. Isso é para o Brasil".

Além dele, Adriano de Souza, campeão em 2015, é o outro brasileiro a ser campeão mundial.

A TEMPORADA

Medina não começou a temporada 2018 muito bem, com um 13º em Gold Coast. Porém, sua reação começou já em Bells Beach, quando ele conseguiu um 3º lugar, completado com um 5º no Rio de Janeiro.

Na etapa seguinte, em Bali, ele foi 9º. Apesar de já parecer bem distante dos líderes do circuito, Gabriel ativou o "modo campeão", chegando ao menos nas quartas de final em todas as etapas seguintes, coroando o bom momento com duas conquistas, no Taiti e no Surf Ranch, nos Estados Unidos.

Ele, porém, só foi assumir a liderança do Circuito na Europa, quando foi 3º lugar em França e Portugal, chegando até Pipeline em vantagem em relação a seus concorrentes Julian Wilson e Filipe Toledo, que chegaram ao Havaí com chances de ser campeão.



AVALIE:
0
0
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

FECHAR
Mato Grosso Notícias © 2018 - Todos os direitos reservados