Segunda, 12 de março de 2018, 09h47
Tamanho do texto A- A+


Judiciário / dicas

Entenda direito: o que é audiência de retratação?

É quando a mulher, vítima de ameaça reconsidera a representação, ora feita contra o agressor, perante um juiz e a um membro do Ministério Público

Muito tem se ouvido sobre audiências de retratação, especialmente na semana do Dia Internacional da Mulher. Mas você sabe o que são essas audiências, como elas são realizadas e qual a sua finalidade? No Entenda direito desta semana quem fez os esclarecimentos foi o juiz da Vara Especializada de Violência Doméstica e Familiar contra Mulher de Cuiabá, Gerardo Humberto Alves Silva Junior.

A audiência de retratação consta no Art. 16 da Lei Nº 11.340, a Lei Maria da Penha, e é quando a mulher, vítima de ameaça reconsidera a representação, ora feita contra o agressor, perante um juiz e a um membro do Ministério Público. Essa audiência deve ser feita antes do recebimento da denúncia ao Ministério Público. Caso a vítima não compareça em juízo manifestando sua intenção em renunciar à representação, os órgãos competentes não poderão dar continuidade na ação.

“A audiência de retratação demanda uma prévia manifestação de vontade da vítima em retratar a representação. É um direito de fazer valer a vontade dela, mas somente em casos de ameaça, o que não corre em casos como lesão corporal”, disse o magistrado.

Nos casos de violência doméstica, previstos na Lei Maria da Penha e, neste, de ameaça, torna-se relevante na ação penal pública condicionada, onde a vítima de ameaça manifesta interesse em promover representação contra seu agressor.

Em Cuiabá, a exemplo do que vem ocorrendo durante o mutirão do Sistema de Justiça Pela Paz em Casa, realizado na Arena Pantanal, antes das audiências de retratação os juízes das Varas Especializadas de Violência Doméstica e Familiar contra Mulher realizam palestras alertando sobre os direitos das mulheres agredidas, inclusive de não renunciar à representação.

Eles abordam também questões relativas à Lei Maria da Penha e alertam que a renúncia, ora feita na audiência de retratação deve ser voluntária. Após a palestra, de forma individual, cada mulher é ouvida pelo juiz e por um membro do Ministério Público onde demonstra seu interesse ou não de renunciar à manifestação da vontade de ver seu agressor respondendo a uma ação penal.

“Quando se trata de violência doméstica a audiência deve ser perante o juiz. Nessas ocasiões o magistrado pode perceber se a vítima está sendo obrigada a desistir do processo e vê, realmente, se a intenção de se retratar é mesmo voluntária ou se está sob pressão”.

O juiz explica que audiência de retratação não se aplica a casos de lesão corporal ou feminicídio, por exemplo, já que é uma ação penal pública incondicionada, sem possibilidade de retratação da vítima e que independe da vontade dela em continuar ou não com o processo.

O crime de ameaça está descrito no Artigo 147 do Código de Processo Penal, “ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar-lhe mal injusto e grave”.



AVALIE:
0
0
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

FECHAR
Mato Grosso Notícias © 2018 - Todos os direitos reservados