Terça, 23 de agosto de 2011, 07h33
Tamanho do texto A- A+


Judiciário / IRREGULAR

Justiça determina suspensão de obra no centro de Cuiabá

A Justiça acatou o pedido liminar do Ministério Público Estadual (MPE) e determinou a suspensão de uma obra clandestina no centro de Cuiabá. A edificação em alvenaria de quatro andares está localizada na Avenida Presidente Marques e é de propriedade de Luiz Carlos dos Santos. A decisão judicial foi proferida pelo juiz de Direito José Zuquim Nogueira, nesta segunda-feira (22.08). Caso não cumpra a determinação judicial, o proprietário pagará multa diária de R$ 5 mil e estará sujeito à responsabilização criminal por crime de desobediência.

De acordo com o autor da ação, promotor de Justiça Gerson Barbosa, o referido prédio, conforme parecer técnico elaborado por fiscais da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano, é destinado à salas comerciais e não possui projetos de prevenção de incêndios, de acessibilidade e de tratamento de efluentes. “A obra foi embargada, interditada e multada por não possuir alvará e projeto aprovado pelo município, mas, mesmo assim, o proprietário deu continuidade no andamento das obras”, afirmou.

Segundo ele, em vistoria recente, os fiscais apreenderam materiais e equipamentos da construção. “Além de empreender construção sem as devidas autorizações, e menoscabar as sucessivas sanções aplicadas administrativamente, o infrator embaraçou e impediu a fiscalização por parte dos agentes municipais, conforme parecer técnico apresentado nos autos”, destacou ele, que atua na 17ª Promotoria de Justiça de Defesa Ambiental, da Ordem Urbanística e do Patrimônio Cultural de Cuiabá.

O promotor informou que, ao final da ação, no julgamento de mérito, o Ministério Público requer que a obra seja demolida e que seja estabelecido um prazo para as demolições necessárias e retirada dos equipamentos utilizados.


AVALIE:
0
0
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

FECHAR
Mato Grosso Notícias © 2018 - Todos os direitos reservados