Quarta, 27 de junho de 2018, 09h21
Tamanho do texto A- A+


Judiciário / recurso negado

Mantida condenação por estupro em continuidade

A decisão foi unânime. O processo tramita em segredo de justiça

Nos crimes de natureza sexual, praticados clandestinamente, a palavra da vítima assume grande relevância, em especial quando corroborada pelas demais provas colhidas durante a instrução processual, as quais comprovaram de maneira livre de dúvidas a materialidade e a autoria delitiva, o que inviabiliza a absolvição do agente sob o pálio da insuficiência probatória. Com esse entendimento, a Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso deu provimento apenas parcialmente a recurso interposto por um réu condenado pela prática do crime de estupro de vulnerável em continuidade delitiva (Apelação nº 21427/2018).

O processo tramitou na Comarca de Juara (709km a médio-norte da Capital). No recurso, a defesa pleiteou a absolvição sob a alegação de ausência de provas. Contudo, a câmara julgadora entendeu não ser cabível a absolvição, pois há nos autos substrato probatório suficiente para a confirmação da materialidade e da autoria delitiva em relação ao acusado. Além disso, a palavra da vítima estava em consonância com a prova testemunhal colhida em juízo. Ou seja, restou configurado contexto probatório harmonioso a confirmar a tese acusatória.

Ainda segundo o relator do recurso, desembargador Pedro Sakamoto, a valoração das circunstâncias judiciais para a exasperação da pena-base demanda fundamentação idônea para tanto. Não sendo este o caso, ela deve ser reduzida à quantia adequada para a repressão e a prevenção do crime. No entanto, no caso em questão a câmara entendeu que deveria ser mantido o aumento na pena em decorrência da continuidade delitiva (art. 71 CP), em 2/3, uma vez que ficou comprovado que os abusos sexuais foram praticados por mais de sete vezes.

Na análise da apelação houve apenas o afastamento da circunstância judicial pertinente às circunstâncias do crime.

A decisão foi unânime. O processo tramita em segredo de justiça.



AVALIE:
0
0
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

FECHAR
Mato Grosso Notícias © 2018 - Todos os direitos reservados