Quinta, 20 de abril de 2017, 01h00
Tamanho do texto A- A+


Política / Delação da Odebrecht

Cunha recebeu mesada de R$ 547 mil por 3 anos, diz ex-executivo

Benedicto Júnior disse que pagamentos foram solicitados pelo deputado cassado e representavam 1,5% do valor da obra de Porto Maravilha; G1 busca contato com defesa de Cunha



O ex-executivo da Odebrecht Benedicto Júnior afirmou em depoimento ao Ministério Público que o ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) recebeu, durante três anos, pagamentos mensais de R$ 547 mil.

 

Atualmente, o peemedebista está preso em Curitiba (veja no vídeo acima a partir dos 2 minutos e 45 segundos).


Segundo o delator, que foi presidente da Odebrecht Infraestrutura, os pagamentos foram feitos entre setembro de 2011 e agosto de 2014.


O G1 tentava contato com a defesa de Eduardo Cunha até a última atualização desta reportagem.


Durante o depoimento, o ex-executivo da Odebrecht afirmou que Cunha solicitou o valor "a pretexto de campanhas políticas do PMDB" e era equivalente a 1,5% do valor da obra do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, liberado para a empreiteira.


Eduardo Cunha já foi denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por suspeitas de ter recebido propina de três empreiteiras que participaram das obras do Porto Maravilha - Odebrecht, OAS e Carioca Engenharia.

 

De acordo com a denúncia, o peemedebista recebeu R$ 52 milhões em propina das três empreiteiras.


"Entre agosto e setembro de 2011, eu fui pessoalmente procurado pelo deputado Eduardo Cunha que me pediu uma reunião. Eu me encontrei com ele [...], ele fez um breve relato do que ele conhecia do Porto Maravilha, que estava em andamento, já havia sido constituído (?), tudo andando normalmente. Ele, a título de campanhas futuras, me pediu que eu fizesse pagamento da ordem de 1,5% do valor liberado para o projeto em 36 parcelas", afirmou o ex-executivo.


Ele explicou ainda que decidiu fazer os pagamentos porque Cunha "era uma pessoa relativamente importante no cenário" e porque o então deputado "tinha uma pessoa dentro do conselho" do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS) e a Odebrecht "não queria ter problemas nesse assunto".

 

"Então, concordei, avaliamos dessa forma", explicou Benedicto Júnior.


Benedicto Júnior afirmou que, após ter sido procurado por Cunha, se reuniu com representantes da OAS e da Carioca Engenharia e, depois do encontro, ficou convencionado que cada empreiteira iria tratar diretamente com o peemedebista sobre os pagamentos que ele havia solicitado.


"Convencionamos que cada empresa ia tratar desse assunto independentemente. [...] A partir daí, eu retornei ao doutor Eduardo Cunha e disse que, da parte da Odebrecht, eu faria o planejamento e o pagamento de 36 parcelas de R$ 547 mil", disse o ex-executivo.


"Não acompanhei [quanto as outras empreiteiras pagaram a Cunha], mas cada um saiu da reunião pra resolver independentemente sua parte. Não foi uma coisa conjunta do consórcio, cada um procurou o deputado Eduardo Cunha. [Cada um tinha] Uma cota parte. 36 parcelas de R$ 547 mil é a conta parte da Odebrecht, a sua parte na obra", explicou.



AVALIE:
0
0
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

FECHAR
Mato Grosso Notícias © 2013 - Todos os direitos reservados